JORGE RODRIGUES SIMÃO

ADVOCACI NASCUNT, UR JUDICES SIUNT

Introdução ao Estudo de Direito

Objecto e Finalidade

Antes de prosseguirmos, torna-se necessário que haja, pelo menos, uma definição preliminar de Direito e, para tanto, devemos observar a concepção popular, segundo a qual: “Direito é Lei e Ordem, isto é, o conjunto de regras obrigatórias que garantem a convivência social graças ao estabelecimento de limites à acção de cada um dos seus membros.”

Podemos, ainda observar definições mais simples como a de Radbruch que conceitua o Direito como “o conjunto de normas gerais e positivas que regulam a vida social”. Ou, ainda, que o define com a frase “Ius est ars boni et aequi 1.

Conclusão: “quem não age segundo o Direito, age torto” e “a direcção correcta é a raiz do Direito”.

A palavra Lei, está etimologicamente relacionada com ligação, liame, laço; relação que se completa com o sentido nuclear de Jus que invoca a ideia de unir, ordenar e coordenar.

Podemos, afirmar que o Direito corresponde à exigência social e indeclinável de uma convivência ordenada, pois nenhuma sociedade poderia subsistir sem um mínimo de ordem, direcção e solidariedade.

O direito rege a sociedade e dela faz parte, pois a experiência jurídica só existe nas relações humanas. Tal afirmação evidenciada no clássico brocardo latino Ubi jus ibi societas (onde está o Direito, está a sociedade), cuja inversa é igualmente verdadeira, Ubi societas ibi ius (onde está a sociedade, está o Direito).

Logo, podemos, constatar que o Direito é um facto ou fenómeno social e não pode existir sem uma sociedade, nem concebido fora da mesma. Há milénios, as mais primitivas sociedades tinham normas para garantir o seu bem-estar, cumprindo o Direito, mesmo sem se consciencializarem do seu significado lógico ou moral.

Com o tempo, esses valores passaram a manifestar aspectos independentes das normas religiosas e dos costumes sociais, tornando-se uma ciência digna de estudos autónomos e específicos. É justamente o que será feito ao longo dos cinco anos da Licenciatura de Direito e de um breve ano infelizmente na Licenciatura de Economia ou outras das áreas das humanísticas e, por que não, ao longo de toda a vida daqueles que pretendem dedicar-se ao Direito.

Multiplicidade e Finalidade do Direito

Como facto histórico e social, o Direito apresenta-se sob as mais diversas formas, em função dos diversos campos de interesse. Para melhor compreendê-lo, deve-se, a princípio adquirir uma visão de conjunto antes de examinar cada uma das suas partes especiais, ou disciplinas. Embora a divisão do Direito seja uma questão posterior, é indispensável mencioná-la para prosseguir.

O Direito divide-se em duas grandes classes que, por sua vez, se dividem em diversos ramos:

1. Direito público: é constituído pelas relações que se referem ao Estado e traduzem o predomínio do interesse colectivo. A estas relações, denominam-se relações públicas ou de Direito Público. Exemplo de ramo no campo do Direito Público, o Direito Constitucional.

2. Direito Privado: é constituído pelas relações que não envolvem o Estado de forma directa, mas sim o indivíduo enquanto particular, como a relação entre pai e filho, comprador e vendedor. A estas relações denominam-se de Direito Privado. Exemplo, o Direito Civil.

A cada ramo do Direito, como os dois exemplos mencionados, denomina-se disciplina, cujo significado:

  • Disciplina: é um sistema de princípios e de regras a que os homens se devem ater na sua conduta, bem como os entes colectivos e o próprio Estado.
  • Disciplinador: é aquele que rege o comportamento humano e sabe impor ou inspirar uma forma de conduta aos indivíduos.

Conclusão: A disciplina indica os limites das acções humanas. Na realidade, indica a razão dos limites estabelecidos à acção. O que se evidencia no brocardo latino Ubi jus ibi ratio (onde está o Direito, está a razão). A razão é esclarecedora pois tanto indica limite ou medida como motivo ou causa para medir. Ninguém pode exercer uma actividade sem a razão de Direito.

Poderíamos dar incontáveis exemplos. Um exemplo bastante elucidativo é o de um médico que ao receitar o faz no exercício de uma profissão garantida por leis jurídicas e, em razão de um diploma que lhe faculta tal direito. Se alguém o fizer sem preencher tais condições, estará a exercer ilicitamente a medicina e não terá a protecção do Direito.

As normas e regras jurídicas existem para tutelar o comportamento dos seres humanos e são tantas quanto os seus possíveis comportamentos e atitudes. Se um homem pratica um acto de delinquência, sofre a acção das normas penais, mas se o praticou com vista a auxiliar os indivíduos e a sociedade será protegido pelas normas jurídicas.

Cada disciplina é constituída pela correlação de normas do mesmo género, sendo necessário observá-las num conjunto unitário, para que não se pense que uma é completamente independente das outras. Não há, por exemplo, Direito Civil que não esteja relacionado ao Direito Constitucional. É objectivo desta Cadeira estabelecer uma visão panorâmica e unitária das disciplinas jurídicas.

Complementaridade do Direito

Outra função fundamental desta matéria é transmitir, e determinar o sentido de Complementaridade do Direito. As suas diferentes partes não podem ser agrupadas como coisas acabadas e estáticas, pois não o são. O Direito renova-se cada dia, daí a complementaridade das suas disciplinas ou o sentido sistemático da unidade do fenómeno jurídico.

 

 

 

Share

Pesquisar

Traduzir

ar bg ca zh-chs zh-cht cs da nl en et fi fr de el ht he hi hu id it ja ko lv lt no pl pt ro ru sk sl es sv th

Azulejos de Coimbra

paineliii.jpg